sábado, 21 de abril de 2018

NELSON PEREIRA DOS SANTOS (1928-2018)


Nelson Pereira dos Santos (1928-2018) nos deixou um generoso rio Amazonas de influências, a sua filmografia é referência para o nosso cinema e ao mesmo tempo que o coloca entre os grandes cineastas do cinema mundial. 


Pessoalmente o filme "COMO ERA GOSTOSO O MEU FRANCÊS"(1971) me tocou de uma maneira irremediável, foi uma resposta para os questionamentos sobre o qual vínhamos refletindo naqueles tempos de "Antopofagismo Tropicalista", da descoberta de um Brasil ao avesso, um país amordaçado, mas insistindo em se inserir na "aldeia global", na irreverência dos jovens por uma sociedade alternativa aonde o sentimento tribal do paz e amor fosse uma realidade. 


Algo como exercer a violência sem perder a ternura, jamais. Lembram? Como no ironico e terno diálogo entre "Seboipepe" (Ana Maria Magalhães) e o "Francês" (Arduino Colasanti): 

Seboipepe: "- Chorarás?"
Francês: "- E tu?"
Seboipepe "- Sim, ficarei triste."
Francês "- Mas logo me comerás."
"- Que devo fazer durante a festa?"
Seboipepe "- Mostrar que és valente."


O filme aonde os atores /atrizes tinham de ficar despidos durante toda a produção, conseguiram alcançar um nível de espontaneidade plausível sobre os índios brasileiros, sem constrangimentos. Tudo isso em 1971 quando a ditadura alcançou níveis de violência implacável contra os seus opositores. O medo e a paranóia era uma permanência no cotidiano dos brasileiros. Nelson Pereira dos Santos conseguiu realizar essa obra prima: COMO ERA GOSTOSO O MEU FRANCÊS😎😎😎



Nenhum comentário:

"Livre-pensar é só pensar"

www.tudoporamoraocinema.com.br

Minha foto
Nasceu em Manaus-AM. Cursou o Instituto de Artes e Arquitetura-UnB(73). Artes Cênicas - Parque Lage,RJ(77/78). Trabalha há mais de vinte anos em projetos autorais,dirigindo filmes documentários: "TUDO POR AMOR AO CINEMA" (2014),"O Cineasta da Selva"(97),"Via Látex, brasiliensis"(2013), "Encontro dos Sabores-no Rio Negro"(08),"Higienópolis"(06),"Que Viva Glauber!"(91),"Guaraná, Olho de Gente"(82),"A Arvore da Fortuna"(92),"A Agonia do Mogno" (92), "Lina Bo Bardi"(93),"Davi contra Golias"(94), "O Brasil Grande e os Índios Gigantes"(95),"O Sangue da Terra"(83),"Arquitetura do Lugar"(2000),"Teatro Amazonas"(02),"Gráfica Utópica"(03), "O Sangue da Terra" (1983/84), "Guaraná, Olho de Gente" (1981-1982), "Via Láctea, Dialética - do Terceiro Mundo Para o Terceiro Milênio" (1981) entre outros. Saiba mais: "O Cinema da Retomada", Lucia Nagib-Editora 34, 2002. "Memórias Inapagáveis - Um olhar histórico no Acervo Videobrasil/ Unerasable Memories - A historic Look at the Videobrasil Collection"-Org.: Agustín Pérez Rubío. Ed. Sesc São Paulo: Videobrasil, SP, 2014, pág.: 140-151 by Cristiana Tejo.